Governo lança projeto para melhorar a gestão e o atendimento na área de saúde

 
 
Como comprar, entregar e garantir o abastecimento de remédios nas unidades de saúde do Estado? O que fazer para evitar a superlotação nos hospitais? O número atual de funcionários é suficiente para prestar um bom atendimento ao cidadão? Qual o tempo médio para consulta e realização de exames? Em busca de respostas para melhorar a gestão e a qualidade no atendimento oferecido pelos órgãos de saúde do Estado, o governo do Pará lançou nesta quarta-feira (26), durante reunião no Centro Integrado de Governo (CIG), o projeto "Gestão por Resultados nos Órgãos que Integram a Área de Saúde do Estado".
 
Durante o evento, o secretário especial de Proteção Social, Sérgio Leão, ressaltou a importância do projeto, lembrando que a área da saúde sempre foi prioridade para o governador Simão Jatene. “No ano passado nós investimos 13,81% de recursos do Tesouro Estadual em saúde, quando a meta estabelecida pela Constituição é de 12% - R$ 1, 4 bilhão para o setor. E este ano devemos ultrapassar os 14% do orçamento”, destacou o secretário.
 
Mesmo com todo esse investimento do governo estadual, Sérgio Leão reconheceu que a crise na saúde é nacional, se constituindo em um dos maiores desafios para gestores de todo o país. “Já está provado que não adianta só colocar recursos. Precisamos garantir um bom gasto, com qualidade, por isso estamos apostando nesse novo modelo. Queremos fazer do Pará uma referência no modelo de gestão da saúde no Brasil. A população paraense merece”, destacou o secretário.
 
União de esforços - O evento desta quarta-feira reuniu mais de 60 dirigentes, gestores e servidores de saúde do Estado, que conheceram as linhas gerais do novo projeto, desenvolvido por uma empresa nacional de consultoria, especializada na gestão de saúde, nos setores público e privado.
 
“Uma das principais vantagens desse modelo é o monitoramento e a avaliação constante das metas estabelecidas pelo governo. Assim, poderemos identificar rapidamente os problemas, as causas e o que fazer para resolvê-los”, explicou o consultor Gilberto Porto.
 
Segundo ele, a ferramenta já é usada, com sucesso, em várias hospitais públicos e privados nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Com essa ferramenta, as unidades hospitalares de média e alta complexidade poderão, por exemplo, atender com celeridade, eficiência e qualidade os serviços demandados pela população.
 
 
Também presente à reunião, a secretária de Estado de Administração, Alice Viana, destacou a importância da consultoria e do engajamento dos servidores de saúde estaduais, para o sucesso do projeto. “Eles (consultores) têm a técnica de gestão e o conhecimento acumulado, mas as mudanças vão depender de nós, servidores, que conhecemos nossa realidade. Precisamos reaprender a fazer melhor com o que nós temos disponíveis”, disse a secretária, acrescentando que “a união de esforços é fundamental para desenvolvermos políticas públicas que melhorem a qualidade de vida da nossa população”. O Pará tem, hoje, 15.294 servidores na área da saúde, e a folha de pagamento do setor chega a R$ 55 milhões.
 
Ao reconhecer a urgência de mudanças no setor, a secretária adjunta de Saúde, Heloísa Guimarães, agradeceu o esforçou de todos e informou que, nesta quinta-feira (27), acontecerá a primeira reunião para a escolha dos servidores que vão compor os grupos de trabalho, os quais atuarão por oito meses.
 
Ao final da reunião foi assinado o Termo de Cooperação Técnica para implantação do projeto de gestão, pelo secretário Sérgio Leão; Heloísa Guimarães, que representou o secretário de Estado de Saúde Pública, Hélio Franco; Alice Viana; Sofia Feio, chefe da Casa Civil; Augusto Sérgio Amorim, presidente do Banco do Estado do Pará (Banpará), responsável pelo financiamento do projeto, e Gilberto Porto, diretor do Instituto Publix para o Desenvolvimento da Gestão Pública.
 
 
 
Fonte: Agência Pará