Governo do Estado apresenta propostas a servidores da Cohab

A titular da Secretaria de Estado de Administração (Sead), Alice Viana, e a presidente da Companhia de Habilitação do Pará (Cohab), Noêmia Jacob, receberam nesta quarta-feira (3) uma comissão de servidores da Cohab para discutir sobre reivindicações como a redução da jornada de trabalho de oito para seis horas diárias e o reajuste salarial de 8%.

Os servidores da Cohab foram recebidos após suspenderem, no último dia 25 de setembro, o estado de greve. A proposta apresentada pelo governo eleva o salário base da categoria em 6%. Sobre a redução da jornada de trabalho, foi acordado que um estudo será feito nos próximos 120 dias – a partir das metas em planejamento da empresa – para que essa situação não prejudique o objetivo fim da Cohab, que é contribuir para a redução do déficit habitacional do Estado.

“A Cohab está numa situação difícil, com altos custos e muitas entregas de habitação a serem feitas. Não podemos presumir que a redução da jornada não prejudicará as metas. É preciso fazer um estudo para termos certeza de que a população não será prejudicada com a redução de horas trabalhadas”, frisou a secretária.

Alice Viana lembrou que, apesar da reivindicação da redução da jornada de trabalho, os servidores da Cohab recebem o referente a oito horas diárias trabalhadas, com direito a tíquete de alimentação no valor de R$ 600 – praticamente 50% a mais do que as outras categorias do Estado que cumprem seis horas. O salário para um empregado de nível superior na companhia chega a R$ 2.760.

Na ótica do interesse coletivo e de uma política de recuperação gradativa de salários, a secretária considera inviável ceder, no momento, a redução sem haver queda equalizada nos ordenados. “Se vocês não acham isso justo, tudo bem, mas o Estado, que é acionista majoritário desta empresa, não pode analisar a justiça própria do cada um, e sim a justiça social, enquanto a sociedade conta exatamente com essas oito horas trabalhadas”, ponderou Alice Viana.

“Antes de fazer o estudo da redução da jornada de trabalho, precisamos resgatar a Cohab, revitalizá-la e fazer as entregas que temos programadas”, completou Noêmia Jacob. Sobre os pontos perdidos durante o estado de greve da categoria, não haverá desconto nos salários, mas o governo propõe a reposição das horas. “Todos perdem com as greves”, disse Noêmia Jacob. As propostas apresentadas serão levadas a assembleia geral da categoria nesta quinta-feira (4).

 

Ascom/Sead